Outeiro Secano em Lisboa

Março 23 2016

Foto 1 jp.jpg

 

 Sportinguistas.jpg

 

Há dias assim, logo ontem que o meu amigo João Paulo fazia 50 anos de idade, e a Carla em conluio com as filhas e alguns amigos, entre os quais me incluía, lhe preparou uma festa surpresa, as atenções estiveram quase todas viradas para Bruxelas, por causa dos terríficos atentados que vitimaram para já 31 pessoas.

Em minha opinião estes atentados são um retrocesso civilizacional, porém tocaram-me de um modo particular, porquanto por razões profissionais o meu filho, costuma ser um utente dessa estação de metro, duas vezes por mês. Felizmente não foi o caso de ontem, porque tinha lá passado na semana anterior.

Durante o dia multiplicaram-se as mesas redondas assim como as muitas opiniões nas redes sociais, sobre as causas e os juízos dos acontecimentos. Mas se para os mais novos isto seja uma novidade, infelizmente a minha geração, tem convivido desde sempre, com ações de terrorismo.

Quem não se lembra das ações das Brigadas Vermelhas em Itália, que desde a década de 1960 espalharam o terror nesse país, tendo inclusive sequestrado e morto o seu primeiro-ministro Aldo Moro.

Quase em simultâneo na então Alemanha Ocidental, foram as Brigadas Baader Meinhof a espalhar o terror naquele país, também durante quase duas décadas. Em França foi Carlos o Chacal, pese embora fosse venezuelano, o mentor e autor de variadíssimos atentados em França, para onde tinha vindo estudar. Na vizinha Espanha foi a ETA, com atentados constantes até há bem pouco tempo.

Agora têm sido os muçulmanos radicais os protagonistas, atuando na Europa e no Mundo. Para aqueles que clamam pelo seu repatriamento, é preciso ter em consideração que, a larga maioria dos implicados são europeus, ainda que convertidos ao islão. Alguns até portugueses como Mikael Batista, morto na Síria que além de luso descendente, era filho de pais flavienses. Durante as suas férias no verão, até terá assistido à missa na igreja da aldeia dos pais, ou até feito ali o seu batismo.

Importa é que a população não se deixe manietar pelo medo, e que os líderes mundiais combatam a montante, as causas do terrorismo. Porque não é com decisões como as tomadas na cimeira dos Açores, onde se deliberou invadir o Iraque que, se combate o terrorismo.

Será que passou a haver maior estabilidade mundial, após a eliminação dos denominados ditadores como Kadahfi na Líbia, ou Sadam Hussein no Iraque? Ou pelo contrário, não terá sido essa a razão do aumento dessa instabilidade!

Apesar dos incidentes do dia, a noite acabou em festa na Churrasqueira Brasa em Sassoeiros, onde o meu amigo João Paulo se deslocou para jantar com a mulher e as filhas e foi surpreendido com um grupo de trinta amigos à sua espera. Muitas felicidades para o João Paulo e família e oxalá que o nosso brinde se concretize, porque foi “ Que o Sporting seja campeão”.

 

publicado por Nuno Santos às 09:53

Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Março 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
16
17

25
26

27
30


links
pesquisar
 
Visitantes
blogs SAPO