Outeiro Secano em Lisboa

Julho 22 2014

 

Episódio II

 

Quando o nosso escritório de Lisboa funcionava no Rossio, paredes meias com o Teatro D. Maria, um dos nossos clientes era uma loja de antiguidades situada na galeria comercial Via Venetto na Av. João XXI, a qual tinha como estafeta, um senhor já reformado que, com o que ganhava nessa função, complementava a sua magra reforma.

Um dia este senhor veio ao nosso escritório fazer a recolha do livro de actas. Mas como a sua contabilista, que era a Ana Ferreira, estava ao telefone, a recepcionista instalou-o na sala de reuniões, a qual funcionava em simultâneo como sala de espera.

A chamada durou mais do que era expectável, e a recepcionista esqueceu-se de avisar a colega, da presença do senhor. Como estavamos próximo da hora do almoço, e nessa época ninguém comia no escritório, como os tempos mudaram, toda a gente saiu ficando o senhor fechado na sala.

Só após o regresso do almoço, a recepcionista se lembrou do senhor, indo avisar a Ana Ferreira. Quando esta se dirigiu à sala de reuniões, imaginando-a vazia, pensando que depois de tanta espera, o homem ter-se-ia ido embora.

Qual não foi o seu espanto, quando  entrou na sala, encontrou o senhor de cabeça caída sobre a mesa e a dormir. Chamou-o e quando estava preparada para ouvir o  seu desconforto por tanta espera, este só lhe disse.

- Parece que passei pelas brasas!

publicado por Nuno Santos às 07:19

Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

14


28


links
pesquisar
 
Visitantes
blogs SAPO