Outeiro Secano em Lisboa

Julho 03 2014

 

Sem grande alarido mas com inteira justiça, assistimos ontem à transladação dos restos mortais de Sophia de Melo Breyner Andresen, para o Panteão Nacional, um local onde em minha opinião apenas devem estar os maiores e os mais notáveis, dando razão aos gregos criadores do panteão, para preservavam os diversos deuses.

Após a conversão ao monoteísmo passando a haver um único Deus, os panteões tornaram-se em mausoléus, onde se preservam aqueles, cuja obra em vida se tornou imortal. Embora no nosso panteão estejam algumas figuras e queiram lá colocar outras que,  em meu entender não têm esse estatuto de dimensão nacional, a Sophia de Melo Breyner Andresen   tal como  Camões, Pessoa e mesmo José Saramago, deixou-nos uma obra, a qual será evocada através dos tempos, como este belo poema, a cantatata da paz, escrita ainda na década de sessenta quando o país e o mundo viviam tempos difíceis, mas que continua intemporal.

 

Vemos, ouvimos e lemos
Não podemos ignorar
Vemos, ouvimos e lemos
Não podemos ignorar

Vemos, ouvimos e lemos
Relatórios da fome
O caminho da injustiça
A linguagem do terror

A bomba de Hiroshima
Vergonha de nós todos
Reduziu a cinzas
A carne das crianças

D’África e Vietname
Sobe a lamentação
Dos povos destruídos
Dos povos destroçados

Nada pode apagar
O concerto dos gritos
O nosso tempo é
Pecado organizado

.

publicado por Nuno Santos às 13:49

Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

14


28


links
pesquisar
 
Visitantes
blogs SAPO