Outeiro Secano em Lisboa

Fevereiro 11 2015

Corte de relações 2.jpg

 

Já não bastavam as tensões que pululam pelo mundo, como os conflito no mundo árabe ou na Ucrânia, ainda que sem a mesma gravidade, ontem nasceu mais um conflito, desta vez interino, com o corte de relações entre o Sporting e o Benfica.

Claro que isto vale o que vale, porque se levado à letra, faria com que vários casais  passassem a dormir em camas separadas, só porque um é do Sporting e o outro do Benfica, ou no meu caso como sportinguista, a cortar relações com os meus dois irmãos, ambos benfiquistas, donde se vê a importância desta medida.

No entanto compreendo o seu simbolismo e a razão da Direcção do Sporting tomar uma posição, face à afronta dos adeptos do Benfica, por enaltecerem o assassínio de um adepto sportinguista ocorrido já em 1996, sem que da parte da Direcção do Benfica, cujo presidente estava presente e assistiu à cena, sem esboçar qualquer gesto ou palavra de reprovação.

Contudo tenho dúvidas sobre a medida porque em meu entender o corte de relações, só vem radicalizar ainda mais as relações das partes envolvidas, isto é dos adeptos mais radicais, como são as claques.

Sobre as claques sempre tive uma posição contraditória, se por um lado aprecio o colorido e o apoio que dão às equipas, ao mesmo tempo reprovo as palavras de ordem muitas vezes utilizadas, assim como o seu modus operandi.

Começando logo pela forma como vão para os estádios das equipas adversárias, enjaulados entre um cordão de polícias, como se fossem gado transportado pelos vaqueiros, ou como prisioneiros de guerra escoltados pelo inimigo.

Não é este o meu conceito de desporto, embora não deixe de sofrer com os desaires do meu clube, tanto ou mais do que esses radicais, pois só eu sei quanto me custou digerir o resultado de domingo.

Por isso acho que chegou a altura das entidades que, regulam o desporto, a Secretaria de Estado do Desporto, Federação Portuguesa de Futebol e a Liga de Clubes concertarem esforços e regularizem estas relações, doutra forma, quem perde é o desporto nacional, e isto já não vai lá com medidas unilaterais, como esta tomada pela Direcção do meu clube.

 

 

publicado por Nuno Santos às 07:50

Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Fevereiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
13
14

15
16
17
18
20
21

23
25
26


links
pesquisar
 
Visitantes
blogs SAPO