Outeiro Secano em Lisboa

Março 09 2013

A família sportinguista está de luto, pela morte daquele que foi um dos seus presidentes mais carismáticos de sempre, ao qual presidiu durante o periodo de 1973-1985. João Rocha vai hoje a enterrar aos 82 anos, ele que foi um visionário, vivendo um pouco fora do seu tempo, dentro e fora do desporto.

No dirigismo desportivo implementou um modelo altamente moderno e revolucionário, tornando-se ainda hoje uma referência, apesar de se ter retirado há quase trinta anos. Foi ele quem idealizou e fundou a Liga de clubes, cuja missão e valores era; o respeito absoluto pelos princípios e os procedimentos definidos e regulamentados pelas leis em vigor.

Criou a SCP - Sociedade de Construções e Planeamento, a primeira sociedade de clubes, destinada à gestão do património não desportivo. Dinamizou a prática de modalidades desportivas para os associados como a ginástica e a natação. No antigo Estádio José de Alvalade construiu uma pista de atletismo em tartan verde, única no mundo, a bancada nova e sob a mesma, outras infra estruturas desportivas como; ginásios, piscina, pavilhões que, guindaram o Sporting a maior potência do desporto português no seu tempo, atingindo o número de 15.000 atletas, em 22 modalidades.

Durante os seus mandatos o Sporting conquistou 1210 títulos nacionais e internacionais, e triplicou o número de associados, atingindo o número mítico de 100.000 sócios. Foi durante os seus mandatos que serviram o clube nomes como; Damas, Yazalde, Carlos Lopes, Fernando Mamede, Joaquim Agostinho, Bessone Bastos, Chana, Livramento e tantos outros.

João Rocha teve de lutar contra imensas forças de bloqueio, vindas de todo o lado. A área de implantação do clube no Campo Grande, em terrenos cedidos pela família do Visconde de Alvalade, foi sempre uma área cobiçada para infraestruturas da cidade, originando a destruição de infraestruturas desportivas como, o pavilhão polivalente e os campos de treino, para dar lugar à estação do metropolitano e ao interface de transportes.  João Rocha abandonou o dirigismo em 1985, em rutura com os meios e processos utilizados por outros dirigentes que, estavam a emergir no desporto nacional, da qual o “roubo” de Futre foi um exemplo paradigmático, levando-o a dizer após a sua saída.

 – “A razão de abandonar a presidência do Sporting, foi não saber gerir o clube, por processos poucos ortodoxos”. Para o eterno presidente, a saudade e um grande obrigado de todos os sportinguistas.

 

 
publicado por Nuno Santos às 09:35

Até eu, benfiquista dos antigos, fui atleta do SCP sob a direcção do grande João Rocha, que tive o privilágio de conhecer. Em 1973, então a frequentar a Fac de Direito, fui treinado pelo inesquecível Moniz Pereira na pista de Alvalade, estádio que ainda tinha pista de ciclismo. Só que a comida da cantina universitária não garantia os mínimos olímpicos... Nessa altura, o balneário era povoado por essas figuras míticas do atletismo nacional e mundial, como o Lopes e o Mamede.
Este dirigente merecia ter partido da vida num contexto de satisfação desportiva radicalmente diferente, mas certamente que o exemplo da sua memória não deixará de galvanizar os muitos sportinguistas que querem voltar a ver o seu clube no lugar cimeiro que a sua história foi construíndo.
herculano pombo a 9 de Março de 2013 às 14:13

Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
16

17
19
23

26
29
30

31


links
pesquisar
 
Visitantes
blogs SAPO