Outeiro Secano em Lisboa

Fevereiro 05 2013

 

Quem de nós ainda não foi já surpreendido, de forma positiva ou negativa, perante expectativas que, tínhamos de alguma coisa! Muitas dessas expectativas devem-se por vezes à opinião formada de algo, que, nos foi induzido, em especial pelos meios de comunicação.

Na primeira vez que eu fui a Miranda do Douro, confesso que, fiquei um pouco frustrado com a cidade, porque durante anos, foi-me vendida uma imagem, bem melhor daquilo que, resultou da minha avaliação pessoal.

De qualquer forma, essa imagem criada é um sinal de que, Miranda do Douro tem um bom marketing, criando-me a vontade de ir visitá-la, não para ver os pauliteiros, porque até são de Sendim, creio que actualmente nem há nenhum grupo de pauliteiros, em Miranda, embora os pauliteiros se associem sempre, a Miranda do Douro. 

Ao contrário, a cidade de Chaves tem em minha opinião, a falta de um bom marketing, aliado a algumas más práticas senão vejamos: A região do Alto Tâmega é por excelência, uma das melhores do país, em matéria de termalismo. Em nenhuma outra região, existe tanta oferta. Apenas numa área de menos de cinquenta quilómetros, podemos usufruir das caldas de Chaves, Vidago, Pedras Salgadas e Carvalhelhos, e se alargarmos a região ao novo conceito de Eurocidade, ainda temos as de Verin.

Com o termalismo está agora associado um outro conceito, designado por SPA, procurado por um extracto social com maior poder de compra, e em Chaves, também existe o SPA do Imperador. Como complemento a todo este dom natural do termalismo, a região tem agora uma boa capacidade hoteleira, acessível a toda a gama de procura.

Mas fiquei triste quando um amigo também transmontano, migrado na capital, que, tal como eu vai aí passar o Carnaval,  levando consigo um grupo de treze pessoas, tendo no programa de estadia, fazerem umas sessões no SPA do Imperador, me disse não o podem fazer, porque o SPA ainda está encerrado.

Em contrapartida, se quisessem ir para S. Pedro do Sul, poderiam usufruir do SPA, porque lá, mantêm os dois balneários, o rainha D. Amélia e D. Afonso Henriques, abertos o ano inteiro.

Esta falta de ambição da nossa região em matéria de promoção turística, na capital mas não só, tem sido confrangedora. Por exemplo nas últimas BTL Bolsa de Turismo de Lisboa, Chaves e a região do Alto Tâmega, aparecem inseridas no stand da região norte, sem qualquer expressão.

Em contra partida, vemos termas de menor expressão, com stand próprio. Sabemos que passamos um período de crise, mas também é em alturas de crise, que, surgem janelas de oportunidade, e ainda há dias o presidente da câmara de Montalegre, contrariando o nosso primeiro-ministro dizia – Não emigrem, façam fumeiro.

Chaves que tem mais motivos de diferenciação, custa-me que, pelo menos em termos de imagem, não consigamos ultrapassar as termas de S. Pedro do Sul, com todo o respeito por S. Pedro do Sul.

publicado por Nuno Santos às 18:01

Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
16

22
23

26


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO