Outeiro Secano em Lisboa

Outubro 01 2014

 

 

Se a transferência do escritório do Rossio para a Av. 5 de Outubro, operada em 1 de abril do ano de 2000 foi uma mais-valia para todos os funcionários que ali trabalhávamos, porque passamos a dispor de mais espaço e melhores condições de trabalho, em termos sociais não deixou de ser uma perda, pois trocamos a Baixa pelas Avenidas Novas, quanto mais não fosse porque na Baixa, tínhamos uma maior oferta em restauração.

Logo de fronte tínhamos as bifanas do restaurante Gare, as mesmas que deliciaram o Anthony Bourdain, o célebre cozinheiro americano que tem um programa sobre restaurantes de todo o mundo, e se lambuzou com estas bifanas. Além disso, tínhamos depois uma vastíssima oferta de restaurantes, nas Portas de Santo Antão e nas ruas limítrofes, havendo-os para todos os segmentos tanto no preço como na qualidade.

Durante algum tempo comíamos nas traseiras do Gambrinus, num restaurante chamado Marques. Além do preço ser conveniente tinha uma cozinha do tipo caseiro, mas curiosamente a Dra. Maria Mestra não o apreciava muito, de tal forma que deu direito à seguinte quadra numa festa de Natal.

Passa por nós no Rossio,

Doutora sempre distante,

Se vier mais vezes prometo,

Que mudo de restaurante.

 

Num final do período de encerramentos, em jeito de comemoração pelo final da entrega das declarações Mod. 22, eu e o Virgílio fomos a uma cervejaria na rua Bairro Queiroz e pedimos duas imperiais. O funcionário que nos atendeu insistiu várias vezes se não queríamos um pratinho de orelha de porco. Perante tanta insistência aceitamos a sugestão e lá veio um prato de orelha de porco, servindo de acompanhamento a mais duas imperiais.

A certa altura o Virgílio chamou o funcionário e perguntou-lhe:

- Oiça lá! Este porco era duro de ouvido?

O funcionário não percebendo o alcance da pergunta, retorquiu:

- Como!!!

- Estou-lhe a perguntar se o porco era duro de ouvido? Repetiu o Virgílio!

- Porquê? Diz o funcionário, admirado com a pergunta.

- É que esta orelha está dura que nem um corno.

O funcionário muito atrapalhado apressou-se a levantar o prato da salada, perguntando se queríamos escolher outra coisa.

publicado por Nuno Santos às 07:47

Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

15

20
24

28
29


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO