Outeiro Secano em Lisboa

Outubro 22 2014

os gatos.jpg

Apesar de alguma antipatia clubística com o cineasta António Pedro Vasconcellos, do tempo em que era comentador desportivo no Trio de Ataque, rendo-me à sua capacidade e arte como realizador de cinema.

O seu primeiro filme que vi foi “o Lugar do Morto” considerado uma pedrada no charco do cinema português, representado por dois apresentadores de televisão da época, o Pedro Oliveira, entretanto desaparecido dos ecrãs, e a Ana Zanati agora convertida em actriz de novelas.

Seguiu-se Aqui del Rei, um filme sobre a época das campanhas de Mouzinho da Silveira em África, quando da prisão de Gungunhana, cujo enredo incidiu na paixão tórrida, entre um capitão e a mulher do ministro da guerra, da altura.

Em1999 realizou o “Jaime” um filme sobre o trabalho infantil, do qual gostei imenso, tendo-o visto uma segunda vez na televisão.

Filmou depois os Imortais, onde um grupo de quatro ex-militares que se reuniam anualmente, para comemorar os seus feitos em combate, num desses encontros decidem assaltar um banco.

A seguir foi a “Call Girl” com a sensual Soraia Chaves, um filme onde retracta uma realidade social, utilizada para obtenção de favores económicos de políticos e figuras importantes.

“A Bela e o Paparazzo” é uma comédia romântica, ficando famosa sobretudo pela brilhante canção do Jorge Palma “Encosta te a mim. Mais recentemente vi o filme agora estreado  “ Os gatos não têm vertigens”.

Quase todos os seus filmes têm um denominador comum, a presença de Nicolau Breyner, funcionando como seu actor fetiche, e as excelentes músicas escolhidas, desde o “Não me Mintas” de Rui Veloso no Jaime, ao já citado “Encosta-te a Mim” do Palma e agora neste último, a Ana Moura com os “Os clandestinos do amor”.

Quanto às intérpretes, a sua escolha tem alternado entre a Fernanda Serrano e a Soraia Chaves, embora neste último filme, o papel principal caiba a Maria do Céu Guerra, com uma brilhante representação diga-se.

Embora não tenha sido muito apreciado pelos críticos da especialidade, eu gostei do filme. Mostra-nos uma situação social cada vez mais presente, o isolamento dos mais velhos, e o incómodo em que estes se tornam para as suas famílias, incapazes de darem resposta a este problema social. Outro aspecto do filme é uma amizade improvável entre duas gerações, mostrando que afinal ela pode ser possível e até regeneradora.

 

 

publicado por Nuno Santos às 07:36

Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

15

20
24

28
29


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO