Outeiro Secano em Lisboa

Julho 04 2015

IMG_3218.JPG

 

IMG_3208.JPG

 

 

IMG_3230.JPG

IMG_3237 - Cópia.JPG

IMG_3255.JPG

 

 

A Capadócia é um dos locais mais visitados da Turquia, pela sua história e singularidade da sua paisagem, fazendo-nos lembrar a paisagem lunar, sendo considerada uma das maravilhas do mundo. A história da Capadócia começa com a erupção de dois vulcões há mais de quatro mil anos antes de Cristo, o Melendiz Dagi e o Erciyes Dagi ambos ainda visíveis, mas sem qualquer atividade vulcânica desde essa data.

A lava destes vulcões cobriu toda a região, entretanto, as chuvas e o vento no decorrer dos milénios causaram a sua erosão, criando vales, fendas, canyons e cones únicos, com formas bizarras que depois a nossa imaginação, se encarrega de identificar formas que, vão de animais à imagem de nossa senhora.

É uma terra muito fértil, por isso os povos vindos do mar colonizaram-na e fizeram habitações cavadas na rocha. Quando aqui chegaram os primeiros cristãos, construíram igrejas e mosteiros rupestres, tendo sido muitos os eremitas e ascetas que habitaram nestes vales perdidos. Quem terá nascido nesta região foi São Jorge, razão pela qual é ficou conhecido como São Jorge da Capadócia, imortalizado numa canção por Caetano Veloso.

São Jorge é um dos santos mais importantes da religião cristã, tanto católica como ortodoxa, ficando associado na mitologia, à morte do dragão. Na maioria das igrejas da região, pese embora a sua constante erosão, são ainda visíveis imensos frescos pintados nas paredes, mas a imagem de São Jorge a matar o dragão, é praticamente recorrente em todas elas.

Claro que as habitações já não estão ocupadas, salvo raras exceções para turista ver, mas ainda existem e podem ser vistas, em especial no vale de Soganli, transformado num museu ao ar livre.

Actualmente um dos pontos de maior interesse na visita à Capadócia, é o passeio de balão. Este passeio dura cerca de quarenta e cinco minutos, e para quem o faz fica com uma recordação inolvidável para a vida, quer pelas imagens que recolhe do ar quer pela imprevisibilidade da descida.

Embora a maioria dessas viagens de balão decorram com a maior normalidade, não deixam de recorrentemente aparecerem notícias, de incidentes com a descida dos balões na Capadócia.

Na nossa descida por exemplo, o piloto consumiu todo o gaz, com o balão ainda no ar, por isso descida foi algo atribulada, embora sem consequências para os vinte turistas, tantos quanto transporta cada balão.

Esta visita à Capadócia, além de me permitir conhecer uma região única no mundo, proporcionou-me duas novas experiências, andar de balão e montar um camelo.

 

publicado por Nuno Santos às 07:12

Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Julho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
17
18

19
20
21
24
25

26
27
29
30
31


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO