Outeiro Secano em Lisboa

Julho 28 2015

 

11796438_924390837603068_4682481415316639262_n.jpg

 

 

17014_854936684542177_5224881920381749557_n.jpg

 

Como sempre o inimigo atacou pelo norte, outrora foram os espanhóis nas guerrilhas transfronteiriças, os franceses durante a guerra peninsular ou Invasões francesas, agora têm sido os incêndios.

Faz a 23 de agosto apenas dois anos que, Outeiro Seco, foi fustigado pelos incêndios e ontem, voltou a ser atacado pelo fogo, pondo habitações em perigo, não fora a ajuda preciosa dos bombeiros, que, com meios terrestres e aéreos o combateram abnegadamente, assim como a população, que nestas situações se mobiliza, numa prática com largos antecedentes.

Também mais uma vez o incendio veio dos lados de Vilela Seca, onde ali se limitam a vê-lo passar, talvez porque a população desta aldeia não tenha a coragem que a de Outeiro Seco demonstra nestas situações, ou talvez porque esta aldeia esteja mais desertificada e com a população mais envelhecida. O certo é que quase todos os incêndios que, têm fustigado a nossa aldeia, têm passado por Vilela Seca.

Desta vez segui o incêndio à distância pelas fotos e filmes que postavam no facebook, curiosamente foi o meu filho que da Holanda e via Skype me deu a notícia do incêndio, porquanto quer a minha mãe quer os meus sogros como são assinantes da Unitrio ficaram sem o serviço de telefone e televisão.

Um abraço de solidariedade para o amigo Ulisses que apesar dos extremos cuidados que tem com a sua mata desta vez também ele viu a sua casa em perigo.

publicado por Nuno Santos às 08:10

Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Julho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
17
18

19
20
21
24
25

26
27
29
30
31


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO