Outeiro Secano em Lisboa

Junho 11 2013

Para a maioria dos naturais de Outeiro Seco, o Almeirinho é mais um lugar no termo da aldeia, composto por terras centeeiras e de lameiros. Geograficamente confronta a sul com o Senhor dos Desamparados, a norte com o Fundo da Lama, a nascente com os Poços e a poente com a estrada municipal e o lugar de Pedrianes.

Nem todos saberão é que o Almeirinho é um lugar com muita história e muitas estórias. O seu caminho era um dos trilhos utilizados na rota do contrabando, quando as treleiras sabiam ou pressentiam de que a Guarda, vigiava o caminho do moinho,  para ludibriarem essa vigilância, atravessavam o rio Tâmega junto ao moinho de cima, subindo ao Alto do Coelho e dali à Bouça apanhando o caminho do Almeirinho, no Vale de Amieiro. Quando passavam junto ao Senhor do Desamparados faziam umas preces, rogando-lhe que as livrasse do encontro com a guarda. Entravam na Mina do Doutor junto a Painhos, passando o rio pequeno nas poldras da Fontainha, seguindo depois pelo caminho do Campo da Veiga até à Cocanha, chegando às suas casas na cidade, com a mercadoria a salvo.

No dia 8 Julho de 1912 também fora esse o percurso que D. João d' Almeida “ Conde do Lavradio” traçara, para se juntar mais cedo à coluna de Paiva Couceiro que, entrara pelo São Caetano e já iniciara o ataque à vila de Chaves. Foi precisamente no Almeirinho que, este militante da causa monárquica foi preso, por dois soldados republicanos, que estavam de atalaia no lugar do Facho, fazendo vigilância a possíveis ataques vindos do norte, fosse pelo caminho do Almeirinho, ou pelo caminho Vale de Travesso, ligado à estrada da Torre, no lugar do Mocho.

Terminou desta forma inglória no Almeirinho, o sonho do D. João de Almeida restaurar a monarquia, repetindo-se a sua derrota um ano antes, por terras de Vinhais, onde fora ele próprio o comandante das tropas monárquicas.

Em matéria de tropas e soldados há muitas mais histórias passadas neste local. Por exemplo os Poços eram utilizados como campo para treinos dos soldados de cavalaria. Para quem não conhece os Poços, trata-se de uns terrenos com grandes baixios, causados pela utilização no tempo dos romanos, do solo barrento do qual se compõe este terreno, para fabricarem a telha e outros artefactos de barro.

São conhecidos nas suas proximidades vários fornos, onde se fazia a cozedura desse barro. Um deles está num terreno logo ali ao lado, pertencente à D. Beatriz, um outro foi descoberto quando da construção da variante da rotunda das chaves às Antas. Este forno foi referenciado pela arqueóloga municipal mas subterrado de imediato, para não atrapalhar a construção.

Um terceiro foi descoberto mais recentemente, na terra do Anselmo em Pedrianes. Consultado o IPAR sobre a preservação destes fornos, disseram que só teriam interesse, se fossem descobertos muitos mais, podendo então pensar-se na criação de um centro museológico. O certo é que também não se fez nenhum esforço nessa procura, mas que os há, lá isso há e os três fornos descobertos, dois deles recentemente, são a prova dessa existência. 

publicado por Nuno Santos às 08:34

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
14
15

18
20
22

26
29



links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO