Outeiro Secano em Lisboa

Setembro 20 2013

 

 

Desde que no século XIX se fundou na rua Ivens, o Grémio Literário, o Chiado tornou-se num dos bairros mais emblemáticos de Lisboa. Essa popularidade ficou a dever-se em parte à sua evocação por escritores como Eça de Queirós, ali imortalizado com uma estátua, no Largo Barão de Quintela, mesmo em frente ao palacete onde ele imaginou, a Tragédia da Rua das Flores.

Situado entre a baixa pombalina e o Bairro Alto, este bairro é de passagem obrigatória, para quem quer conhecer Lisboa.

São muitos os locais de referência neste bairro, relacionados com a cultura. Desde logo, o Teatro de S. Carlos, o único teatro de ópera em Portugal, mas ainda o teatro S. Luís, o teatro da Trindade, e no actual edifício Chiado Terrace, onde outrora funcionou a Casa de Trás os Montes, de tão boa memória para mim, funcionou também o teatro Gynasium, onde foram representadas as primeiras revistas à Portuguesa.

Por coincidência hoje vou ao Politeama, precisamente ver o espectáculo do La Féria, designado Revista à Portuguesa.

Lembrei-me de escrever este post, porque hoje por razões profissionais tive de ir ao Chiado, onde vivi no período de 1974 a 1978 e onde regresso frequentemente, eu e milhares de turistas, de tal modo que, a cadeira ao lado da estátua do Fernando Pessoa, situada na esplanada da Brasileira, tornou-se o lugar mais procurado para ser fotografado pelos turistas.

Mas não é só o património teatral que prolifera no bairro do Chiado, existe ainda o museu do Chiado e as igrejas dos Mártires, Sra. da Encarnação a da Senhora do Loreto e as ruínas do convento Carmo, tudo isto num raio de quinhentos metros.

É sempre bom regressar a um local, onde se foi feliz.

publicado por Nuno Santos às 19:27

Uma curiosidade.
Aqui há dias, passava já da meia noite, circulava eu por esta zona, quando reparei numa cena insólita na esplanada ao lado da da Brasileira, a esplanada da pastelaria Bénard, famosa pelos seus croissants e variedade de chás.
Então:
A esplanada tem naturalmente várias mesas e cadeiras metálicas cobertas por largos chapéus. Àquela hora, hora de recolher, deparo-me com uma mesa única e solitária com duas moças sentadas em conversa animada, ainda acompanhadas com uma garrafa de vinho tinto por acabar e dois copos ainda meio cheios, sinónimo de que estariam ali à conversa, sei lá, talvez por mais uma meia hora.
O insólito tinha a ver exatamente com a sua tranquilidade, mesmo sem mesas e sem ninguém em redor com os camareiros atarefados a arrumar a mobília para fechar o serviço. Qual quê ! Elas mantinham-se indiferentes e em conversa como que a noite fosse ainda criança.
Se fosse connosco, comigo e contigo, talvez nos tivessemos apressado a escorropichar os copos e libertar a mesa.
Feitios ?! J.
Júlio a 22 de Setembro de 2013 às 14:26

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Setembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
13

15
16
17

28



links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO