Outeiro Secano em Lisboa

Janeiro 27 2013
´

A fuga de cérebros está associada à falta de desenvolvimento dos países de origem. Este fenómeno transpõe-se também para as regiões. E neste capítulo, a região de Trás os Montes é disso um mau exemplo, porque todos nós conhecemos pessoas, que, pela sua capacidade e massa crítica, seriam um valor acrescentado para a nossa região. Lamentavelmente a falta de oportunidades locais, obriga-os a colocar essa massa crítica, em favor de outras regiões, embora a sua terra de origem, jamais lhes saia do pensamento. São centenas senão milhares os transmontanos, migrados e emigrados com esse perfil, e o José Carlos Barros, é um desses exemplos, paradigmáticos. Natural de Boticas fez o liceu em Chaves e depois o curso de arquitectura paisagística na universidade de Évora, aplica agora os seus saberes profissionais, na região do Algarve, mais propriamente em Vila Real de Santos António. Conheci-o através da Celeste, porque durante dois anos, foi hóspede em casa dos seus pais. Apesar da sua acção e postura muito discreta, o Zé Carlos Barros é uma figura reputada das letras portuguesas, com vasta obra publicada e premiada, tanto em poesia como prosa.  Tal como Miguel Torga, também o Zé Carlos Barros é um exemplo paradigmático das pessoas que, apesar de viverem longe da sua terra, mantém-na sempre no pensamento. Servindo-lhe de mote para a sua escrita, como no último livro “O amor e o tédio” assim como em grande parte da sua obra poética. O Zé Carlos mantém uma regular colaboração, no blog do Fernando Ribeiro, tendo a  nossa região como principal referência. Apesar dos novecentos quilómetros de distância, é visita frequente, embora não tanto quanto gostaria. A foto que ilustra o post, é de uma visita a Segirei, um local muito frequentado por ele e outros seus amigos, pois o Zé Carlos é um exímio pescador de trutas. Anualmente não descura a sua presença na festa da Sra da Livração, em Boticas, o mesmo não se passa com os Santos, em Chaves, porque apesar de continuarem no seu imaginário, a distância a que vive, não permite estar presente tantas vezes, como gostaria. Deixo-vos com  pequeno poema da sua vasta obra.

         A VIDA TODA 

 Nada mais procuras:

 o lugar no escano em redor do lume,

 as bagas do lódão,

 a flor da urze.

 

publicado por Nuno Santos às 11:35

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
19

21
24
26

29


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO