Outeiro Secano em Lisboa

Fevereiro 19 2013

 

A LUTA ENTRE O CARNAVAL E A QUARESMA (1559) — Pieter Bruegel (1564-1638) — Kunsthistorisches Museum, Viena

 

Antigamente eram bem diferentes os quarenta dias que medeiam o Carnaval e a Páscoa. Por isso, aquele samba onde o Martinho da Vila canta “ Pra tudo se acabar na quarta-feira” já não faz mais sentido, porque ainda no domingo passado, o primeiro domingo da quaresma, enquanto pelo Skipe conversava com uns primos que vivem no Rio de Janeiro, por sinal próximo do sambódromo, eles diziam que ali ao lado, estava a decorrer o desfile das escolas vencedoras.

Em miúdo recordo-me do sacrifício para não dizer suplício, a que a minha mãe me sujeitava, a mim e aos meus irmãos, obrigando-nos a fazer jejum e abstinência na quarta-feira de cinzas, não nos deixando comer as sobras do cozido do Entrudo, eu que ainda hoje adoro essas iguarias.

O mesmo acontecia depois em todas as sextas-feiras da quaresma, todas elas de jejum e abstinência, apesar de se pagar a bula ao padre. Confesso que muitas das vezes não resistia à tentação da carne, e pecava, mas não era com toucinho do enguião, quando pecava era logo com uma linguiça, roubando-lha quando apanhava a cozinha sozinha.

Porém esses tempos, não se diferenciavam apenas pela abstinência da carne, mas também e sobretudo, pelos hábitos religiosos, como a via-sacra a qual se fazia todos os dias com a igreja cheia. Agora reza-se apenas à sexta-feira à noite, e vão uma dezena de pessoas, ou pouco mais e depois na sexta-feira santa percorrendo o calvário. Mas mesmo essa via-sacra da sexta-feira santa é diferente, já não se enumeram os suplícios aplicados a Cristo, agora leem-se textos, adaptados à modernidade. Os santos dos altares já não são tapados com panos roxos, embora se mantenha o uso de não tocar o sino, na semana santa. O Sr. José do Forno ainda hoje conserva essa mágoa, de não ouvir o toque a finados no funeral da sua mãe, precisamente porque faleceu na sexta-feira santa.

Nos meios rurais mantém-se ainda o hábito de ao meio dia de quinta-feira santa, tocar o sino a finados, simbolizando a morte de Cristo. A partir desse momento, guarda-se dia santo de guarda, prolongando-se até ao meio dia de sexta-feira. O sino só volta a tocar à meia-noite de sábado de aleluia. Porém nas cidades a quinta-feira é dia de trabalho, e faz-se o feriado depois na sexta-feira.

Os sete domingos da quaresma contam-se da seguinte forma: Ana; Magana; Rebeca; Susana; Lázaro; Ramos na Páscoa estamos. O Lázaro apesar do seu simbolismo religioso por representar um milagre de Cristo, era vivido na nossa região com algum paganismo, pois coincidia com a feira anual de Verin, a qual está para os nuestros hermanos, como para nós os Santos, sendo a única altura do ano em que a fronteira era livre.

O dia de Ramos era uma festa que começava logo no sábado à tarde , com a procura dos elementos com que se fazia o ramo, o louro, oliveira, cangorsa e salva e o alecrim. Na missa de domingo quando da sua benção, despicavam-se o ramo mais imponente, uma prática que de certa maneira, ainda hoje se mantém na aldeia, onde o Zé Serra faz questão de apresentar o ramo maior.

O dia de Páscoa de comum com o da minha meninice, tem apenas os folares. Esse dia amanhecia com uma alvorada de foguetes, e após a missa, ouvia-se por toda a aldeia o tilintar da campainha, anunciando aleluia, aleluia e o compasso visitava todas as casas, as quais se arranjavam a primor, com flores e as melhores rendas, para receberem a benção do senhor. Enfim mudam-se os tempos mudam-se as vontades, mas apesar de não ser um saudosista, não deixo de me lembrar com saudade, de algumas coisas desse passado. 
publicado por Nuno Santos às 23:17

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
16

22
23

26


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO