Outeiro Secano em Lisboa

Março 20 2020

Capela de Santa Ana.gif

                                                                Foto de Humberto Ferreira

Recentemente o nosso conterrâneo Isac Dias, um estudioso da história de Outeiro Seco que, durante algum tempo preferiu usar o pseudónimo de João Jacinto, publicou na sua página do facebook, https://www.facebook.com/isaac.dias.1232 uma certidão exarada no ano de 1943, onde a Fábrica da Igreja de Outeiro Seco, à época presidida pelo Sr. Padre Albano Dias, registou em nome da referida Fábrica da Igreja, três imóveis, dois urbanos e um rústico.

Os dois imóveis urbanos são a capela da Sant’Ana e metade da antiga Confraria de São Miguel, agora Casa Paroquial que, na década de setenta foi usada como a primeira sede da Casa do Povo.

O prédio rural situava-se no lugar do Socalco. Este prédio foi anos mais tarde permutado por outra Comissão da Fábrica da Igreja, da qual faziam parte Eurico Rodrigues Afonso e João Alferes, com Manuel Abade, dono de uma parcela na senhora da Azinheira, para a construção do atual recinto da festa, porquanto, antes o recinto da festa confinava-se ao adro da igreja e à estrada.

De salientar que, o Sr. Padre João Pereira do Rio doou também uma parcela de terreno neste local, e foi a junção das duas parcelas, que, resultou no atual recinto.

A revelação desta certidão ou escritura vem repor duas verdades. A primeira é a de que a capela da Sant’Ana pertence à Fábrica da Igreja e não à família Montalvão, conforme eles julgavam.

Para que conste, um dia eu e o Eng. Altino Rio, na época presidente da Junta da Freguesia, reunimos em Lisboa com o Arquiteto José Montalvão, proprietário do terreno da Santana, para que no-lo vendesse.

Ele disse-nos taxativamente que, poderia um dia vender tudo, menos o terreno da capela, partindo da premissa que a capela era dele. Não vendeu, mas cedeu-nos o uso do terreno para eventos, tendo-se realizado ali, entre outros eventos, duas Feiras de Gastronomia.

A reposição da segunda verdade prende-se com a recente reivindicação de terrenos limítrofes à capela, os quais eu sinceramente não entendo bem porquê, fazendo fé nas minhas fontes de memória, como é o caso da minha mãe.

Dizia ela que o José António Durão era o proprietário de dois terrenos na Santana, os quais eram trabalhados pela sua prima Maria Moreiras. Os mais velhos lembram-se ainda da relação da minha mãe com a Maria Moreiras, com quem dormiu até à última noite de solteira.

A Maria Moreiras deixou de trabalhá-los, quando o Sr. Firmino do Rio os adquiriu ao Durão. No que fica junto à estrada construiu a casa e quinta, o outro continuou afeto à agricultura, mas a uso próprio.

Para ter acesso direto ao segundo terreno, o Sr. Firmino do Rio fez um acordo com a Junta de Freguesia, cedendo ele uma fatia do terreno da quinta, razão pela qual o coreto norte não entesta agora no muro. Em contrapartida, a Junta de Freguesia deixava-lhe abrir um portão  para o recinto da festa, fazendo por ali a serventia para o segundo terreno.

Anos mais tarde o seu filho e único herdeiro Euclides Rio vendeu o segundo terreno ao Sr. Moisés (Azeiteiro) que, se viu impedido de utilizar a passagem pelo recinto até a estrada.

Desgostoso com a situação, o Sr. Moisés vendeu o terreno ao Sr. Borges (Pasteleiro) o qual em parceria com Francisco Félix, compraram às irmãs Sevivas uma parcela do terreno agora do Domingos, fazendo por ali a passagem.

Ora, se o segundo terreno do Durão é o atual dos herdeiros do Sr. Borges, como é que o Sr. Euclides Rio,  ainda tinha terreno sobrante para vender? Só se o Sr. Euclides Rio se apropriou do terreno público, onde está o marco geodésico, ou militar, e o depósito da água, pois como é sabido, os marcos eram sempre construídos em terrenos públicos ou baldios.

Essa é uma guerra na qual não me meto, porquanto a freguesia tem orgãos próprios para a defender. Quanto à capela da Sant’Ana, essa é do povo, estando inclusive na origem da nossa existência como aldeia. Primeiro como povoação celta e depois como cristã.

Nuno Santos          

 

publicado por Nuno Santos às 15:46

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Março 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO