Outeiro Secano em Lisboa

Agosto 29 2014

 

 

 

No recente encontro da família Rodrigues Afonso, mais do que o convívio intergeracional e familiar o qual é frequente, esteve também subjacente uma homenagem ao nosso avô Eurico, pelo protagonismo que teve na aldeia, entre as décadas de trinta a setenta, e porque em nosso entender, existe essa dívida de gratidão por parte da população local, em especial dos responsáveis políticos que lhe seguiram.

E se há coisas em que a memória do nosso avô deve ser perpetuada, a festa da Sra da Azinheira deve ser uma delas, porque apesar de passados tantos anos, a sua marca ainda persiste. Desde logo, porque foi ele quem criou o espaço onde agora se realiza a festa, assim como foi também ele quem construiu o primeiro coreto, e concluiu o segundo, pese embora ambos tenham sido recentemente requalificados, a obra original foi sua.

O nosso avô tinha uma relação com a festa como ninguém. Na qualidade de presidente da junta nomeava os mordomos para o ano seguinte, e se havia dificuldade em constituir a comissão, lá estava ele por trás como mordomo sombra, fazendo reforço positivo. Entre outras tarefas relacionadas com a festa, era ele quem tratava das licenças na cidade, e justava logo no ano anterior a Banda de Loivos, uma das mais afamadas da região, razão pela qual esta Banda, deve ser a que tem um maior número de presenças, nas festas da nossa aldeia.

Quando se viviam tempos mais difíceis e era difícil distribuir os músicos pelas casas da aldeia, os sobrantes cabiam sempre na sua casa, e eu recordo-me ainda de ver uma cama pejada de instrumentos, dos músicos que comiam lá em casa.

Ainda que a contratação da segunda banda fosse tarefa da comissão dos solteiros, pela ligação que ele tinha com a cidade, por ali ser funcionário público e amigo de muitos dos elementos desta Banda, tando de membros da Direcção como de músicos, exercia sempre alguma influência, para que a segunda banda da festa fosse a Banda dos Pardais.

Vem isto a propósito porque neste ano, um dos mordomos da festa é um neto seu, o meu primo Tibério que, também herdou as géneses do avô, ao ponto de o nosso primo Eurico, dizer muitas vezes aos seus pais.

- Não sei porque me puseram a mim o nome de Eurico? Quem deveria ser Eurico deveriam ser o Tibério e o Nuno, pois esses é que herdaram as géneses do avô!

Da minha parte carrego com orgulho essa herança, tal como o meu primo a carrega, disso tenho a certeza. Para o Tibério e todos aqueles que estão envolvidos na produção da festa deste ano, desejo-lhes um grande sucesso, pois a julgar pelo programa divulgado, será com certeza um grande êxito, oxalá o S. Pedro também colabore.

publicado por Nuno Santos às 07:34

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
16

18
21

30



links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO