Outeiro Secano em Lisboa

Julho 10 2016

portugal frança.jpg

 

Chegou o dia da grande final do campeonato europeu de futebol, cumprindo-se assim a epifania do nosso selecionador Fernando Santos, de que só regressaria a Portugal, no dia 11 de julho, convicto de que a nossa seleção, iria disputar a final no dia 10.

 Ora, como ele também disse que, as finais não se jogam mas ganham-se, oxalá a epifania se concretize em pleno, tanto mais que, o nosso selecionador é um homem de fé, e a seleção, traga para a Portugal a taça. Se tal acontecer e ainda que apenas metafórico, ou seja em sentido figurado, parte da taça terá de ficar em França, espalhada por todos os portugueses ali residentes, pelo apoio que têm dado à seleção.

Tem sido comovedor o apoio dado à seleção, pelos portugueses ali residentes, na sua maioria já de segunda e terceira geração, portanto, nascidos e criados em França, cujo vínculo com o nosso país tem sido reforçado, precisamente por causa do futebol, tanto dos clubes, mas sobretudo, da seleção.  

Este fenómeno é curioso e estende-se às próprias seleções. A seleção portuguesa tem jogadores nascidos em França, como são os casos de Anthony Lopes e Adrien Silva, os quais optaram pela nacionalidade portuguesa, defendendo as cores nacionais, ou o caso do melhor jogador francês, Antoine Lopes Gryezmann que, sendo filho de mãe portuguesa e pai francês, é atualmente o maior ídolo dos franceses.

É conhecido o chauvinismo francês, exacerbando tudo o que é seu, em detrimento dos outros, por isso alguma imprensa francesa tem denegrido o desempenho da nossa seleção, ainda que o desempenho da sua não tivesse sido muito diferente, tendo obtido vitórias tangenciais, quase sempre em finais das partidas, com exceção feita ao jogo com a Islândia e depois com a Alemanha, ainda que aqui com alguma sorte à mistura.

Claro que a sorte, é uma componente deste jogo, onde nem sempre ganham os mais fortes, porque se fosse pelas estatísticas, então perderíamos por 6-0, porquanto a França, é seis vezes maior que Portugal, tanto em área como em população. Mas no campo são onze contra onze, e vamos ter fé de que vamos ser mais fortes e ganhar o campeonato europeu em futebol, porquanto, não podemos ganhar o campeonato do desenvolvimento e da competitividade, o qual daria um mais bem-estar daria a todos os portugueses.

publicado por Nuno Santos às 09:21

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Julho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30



links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO