Outeiro Secano em Lisboa

Maio 15 2015

11245488_433786616802974_8177108535021123486_n[1].

 

450px-Palacio_Independência.jpg

 

Hoje regressei ao Palácio da Independência, um local bem meu conhecido, porque na década de noventa fui o TOC Técnico Oficial de Contas da SHIP - Sociedade Histórica da Independência de Portugal ali sedeada, tendo na época como presidente, o General Themudo Barata, o qual me fez uma visita guiada ao palácio.

A visita de hoje não teve nada de profissional, pelo contrário, fi-la na companhia da Celeste, a convite do Gil Santos, para assistirmos a uma conferência promovida pela Fundação Vox Populis, na qual se integrava a apresentação da 2ª edição do seu livro “De Chaves a Copenhaga” escrito em coautoria com o seu filho, Gil Morgado Santos.

A primeira vez que assistimos à apresentação deste livro ainda em 1ª edição, foi na praia fluvial de Segirei, em simultâneo com o romance “Prazer e Tédio” de José Carlos Barros e “Cancelas e Chaminés” de Domingos Pires e Altino Rio.

A apresentação de hoje teve uma maior pompa e circunstância, desde logo, porque a mesa além do Gil Santos como autor, estava composta por figuras relevantes da cultura portuguesa.

Dr. Luís Queirós – Presidente da Fundação Vox Populis e uma figura multifacetada da sociedade portuguesa, embora como ele diz, agora seja mais conhecido como o pai de Pedro Queirós, um dos dois portugueses que, estão a ajudar as vítimas do sismo no Nepal, onde sem encontravam de férias na altura da catástrofe.

Dr. José Vítor Pedroso – Representante da Direção Geral do Ensino, em substituição do secretário de estado da Educação.

General Alexandre Sousa Pinto – Presidente da Fundação da História Militar que também tem a sede neste palácio e falou de Livros de Memórias e Soldados Escritores.

General Mário Oliveira Cardoso – Presidente da Comissão do Centenário da 1ª Guerra Mundial.

Profª Fernanda Rolo – Historiadora

Dr. António Baptista Lopes – Editor e proprietário da Ancora, a editora do livro do Gil.

Todos eles teceram grandes elogios ao livro, o qual está melhorado em relação à 1ª edição, quer a nível de legendas mas também de fotografias. Este livro tem para mim uma simbologia muito especial, porque também eu sou neto de um ex-combatente.

Tenho pena de não ter convivido com o meu avô Manuel dos Santos, pois faleceu no ano em que eu nasci, e por isso, não pude recolher as suas memórias, de um acontecimento tão importante para a sociedade portuguesa, mas ao mesmo tempo, tão desconhecido de todos nós.

publicado por Nuno Santos às 00:28

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Maio 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
16

17
19
21
22

25
26
27
28
29
30

31


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO