Outeiro Secano em Lisboa

Abril 24 2014

Em 2008 o Gil Santos escreveu em cooperação com o seu filho, um livro com o título “De Chaves a Copenhaga, A Saga de um Combatente”, narrando as memórias e sofrimentos do seu avô e bisavô, António Santos, um ex-combatente do CEP Centro Expedicionário Português, durante a 1ª Grande Guerra. Eu tenho o privilégio de possuir esse livro autografado pelo autor que,  faz o favor de também ser meu amigo.

Num contexto mais prazeroso nestas mini férias da Páscoa, eu e a Celeste na companhia do nosso filho e da Rita, fizemos o percurso  de Lisboa a Copenhaga, tendo Amesterdão como uma espécie de base.

Assim na sexta-feira santa, à hora em que a maioria dos outeiro secanos estavam  no forte de S. Neutel, representando o Auto da Paixão e segundo já soubemos muito bem,  partimos nós de Lisboa para Amesterdão.

No dia seguinte logo pela manhã, saímos em direcção a Hamburgo na Alemanha, onde pernoitemos. Mas como o pretexto era apenas o de lazer, pelo caminho íamos visitando locais de interesse. Deste modo e ainda na Holanda, visitamos a cidade de Deventer, e depois já na Alemanha a de Hanover. É sabido que a maioria das cidades alemãs, foram destruídas durante a segunda guerra mundial, contudo a cidade de Hanover, reconstruiu grande parte dos seus edifícios, recuperando a forma arquitectónica que tinham anteriormente, mais parecendo uma cidade do tempo medieval, semelhante às que não foram destruídas pela guerra.

À noite pernoitamos em Hamburgo, considerada a segunda maior cidade da Alemanha a qual vive fundamentalmente do seu porto marítimo, no rio Elba. Actualmente é o segundo maior porto da Europa, só atrás de Roterdão, mas existem estimativas de que em breve, se torne no maior porto do mundo.

Portugal tal como o fez com o projecto da barragem do Alqueva, tem adiado o projecto da ampliação do porto de Sines, que o tornará num dos maiores portos de águas profundas, do mundo.

Hamburgo é uma cidade com uma grande dinâmica industrial e comercial, e por por via disso uma boa parte da cidade parece convertida num estaleiro, fazendo lembrar Lisboa, na fase da Expo 98, e mais tarde nos preparativos para o Euro 2004.

Uma das muitas empresas construtoras que vi foi a Zublin, já minha conhecida, porque foi accionista de uma empresa chamada Zucotec, cliente da Nucase. Esta empresa foi construída em Portugal, exclusivamente para recrutar mão de obra, fazendo-o essencialmente na região do vale do Ave e Tâmega, tendo inclusive escritório em Amarante.

Talvez por via disso, numa passagem de peões bem próximo de uma dessas obras, vimos no sábado uma faixa colocada por benfiquistas, dizendo “ Reservado SLB”, contudo não assistimos à festa, porque logo nessa manhã saímos para Lubeck, em Portugal conhecida por Lutreck.   

Hamburgo tem muitos pontos de interesse, desde igrejas, catedrais o edifício da câmara, mas à noite, todos os caminhos vão dar ao Reeperbahn, uma zona mais imponente que, o Red Light de Amsterdam, ainda que não seja tão hard cord.

Foi no Reeperbahn que, na década de sessenta se iniciaram os Beatles, tocando em muitos bares da cidade. A esse propósito aos domingos junto ao cais realiza-se um mercado volante, e no próprio edifício do mercado, em cada um dos topos existem dois palcos, onde alternadamente actuam bandas rock, alguns dos músicos que estavam a actuar tinham quase a idade dos Beatles.

publicado por Nuno Santos às 09:48

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Abril 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
16
19

20
21
22
23
26

28
29


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO