Outeiro Secano em Lisboa

Setembro 07 2015

651.JPG

 

653.JPG

659.JPG

649.JPG

 

636.JPG

 

626.JPG

 

O mês de setembro está para os outeiro secanos, como o período do Ramadão, para os muçulmanos. Nesse período, eles fazem a sua peregrinação a Meca, nós em setembro, fazemos a nossa a Outeiro Seco.

O pretexto é apenas a passagem da festa da Sra da Azinheira, mas acaba sempre por ser mais do que isso, porque se aproveita essa “peregrinação”, para o convívio com a família e os amigos, razão pela qual ontem dia 5 de setembro, decorreram na aldeia, os três eventos anunciados no post anterior.

Embora estivesse presencialmente nos três eventos, o encontro dos outeiro secanos nascidos em 1955, foi aquele que mais me envolveu, por ter nascido em 1955, mas também, por ter estado na organização deste encontro, juntamente com a Celeste e o meu primo Rui Santos.

Foi gratificante rever muitos dos antigos companheiros de infância, e sobretudo, proporcionar uma maior aproximação entre todos, porque a dinâmica da vida se encarregou de nos separar, uns para o estrangeiro, outros para outras cidades do país, embora o mês de setembro se encarregue de nos aproximar, houve companheiros como o José António Chaves e a Fátima Castro que, vieram propositadamente para este encontro.

Como é sabido, um dos locais mais místicos da nossa aldeia, é sem dúvida o Largo do Tanque, sendo aí o nosso ponto de encontro, com uma visita à restaurada capela da Sra do Rosário, uma novidade para muitos dos presentes, em especial os não residentes.

Seguimos depois para a Santana, onde antes do repasto, servido no restaurante com o mesmo nome, sob a gerência do simpático casal Isabel e Jacinto Batista, visitamos a capela de Santana, também requalificada em 2008, porque muitos dos presentes,ainda não conhecia os achados na capela, após essas obras de requalificação.

O convívio tal como o jantar, esteve ótimo e depois dos brindes, foi proposto fazermos novo encontro daqui a cinco anos, para fazermos novo balanço, do que a vida nos proporcionar até lá.

 

Mas porque presenciamos os restantes eventos, não podia deixar de dar aqui esse testemunho. Quanto ao encontro dos ex-combatentes, de salientar a emoção vivida na maioria dos presentes, porque a guerra é a guerra, e alguns deles, assistiram à perda de vida, de companheiros seus.

Claro que há sempre algumas areias nas engrenagens, e a organização deste encontro, com toda a admiração e respeito pela organização do Eliseu Martins André e do Manuel Ferrador, também as teve, ao deixar de fora alguns que, também serviram a pátria noutras paragens, porque houve guerra em todo o domínio colonial, o qual ia para lá de África, conforme diz o Hino da Mocidade.

A oeste da Europa/ mesmo junto ao oceano/ fica o nosso Portugal/ lindo torrão lusitano/ É pequeno em continente/ em domínios o terceiro/ o mais valente na guerra/ em descobrir o primeiro.

Ora a guerra iniciou-se efectivamente em 1961, mas na Índia, (Ásia) com a anexação dos estados de Goa, Damão e Dio, onde estiveram outeiro secanos, como o António Salgado, Francisco Alonso, Hermínio Bernardo, Francisco Ervões  e  António Pipa.

Além de que o José Manuel Anjos esteve em Timor (Oceania) onde não foi fácil o processo da descolonização, com as guerras entre os diversos movimentos de libertação, vindo a terminar com a invasão do estado de Timor pela Indonésia. Também houve militares em Cabo Verde, onde esteve o António Ribeiro de Carvalho, pese embora fosse área reivindicada pelo PAIGC, não são conhecidos episódios de guerrilha.

Mas isto é apenas uma pequena nota, porque o mais importante é valorizar a iniciativa pela positiva, e salientar a elevada adesão de ex-combatentes, que como ficou dito atrás, aproveitaram também a festa da Sra da Azinheira, aliás a marcação do encontro para esta data, também não terá sido inocente.

Quanto ao terceiro evento a Festa do Reco, estão mais uma vez de parabéns os seus organizadores, especialmente pela excelente descarga de fogo, servido como um aperitivo da noite do dia 8 de setembro.

E é com estas iniciativas que, como alguém dizia, “Outeiro Seco tem muita pinta”.

 

 

publicado por Nuno Santos às 08:30

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
26

27
28
29
30


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO