Outeiro Secano em Lisboa

Novembro 14 2018

foto do outono.jpg

Há memórias que ficam e a minha mãe, pese embora os seus oitenta e cinco anos feitos no passado dia 1 de agosto, preserva ainda em boa forma a sua, sendo atualmente uma das poucas fontes de memória da aldeia.

Tardiamente valorizei a riqueza dessa audioteca em suporte de voz, ainda que nem sempre disponível, porquanto, separam-nos quase quinhentos quilómetros de distância. 

Nesta minha curta estada em Chaves entre os Santos e o São Martinho, recolhi esta canção que ela apreendeu, enquanto aluna da D. Maria Eugénia. Chama-se o Carvalho Esburacado e veio à colação por causa desta época do ano em que as folhas das árvores caem e nos dão  extraordinários coloridos.

Assim e para memória futura aqui fica a letra do Carvalho Esburacado, se quiserem conhecer a melodia terão de lhe pedir a ela ou puxar pela memória das vossas mães octogenárias.

 

Caem folhas uma a uma
Na relva verde do prado
São folhas dos castanheiros
Do choupo e dos sobreiros
Do carvalho esburacado


As folhas amarelinhas
Vão caindo, vão caindo
Parece o choro das plantas
Martirizadas e santas
Pelo sol que vai fugindo


A planta fica despida
Fica triste, fica nua
Assemelha-se a um pobrinho
Sem amparo, sem carinho
Como estes que andam na rua


Pobre planta sem folhinhas
A tremer, a tiritar,
É como um bebé sem lar
Para aquecer as mãozinhas

 

Mas o inverno vai passando

A passos tristes e graves

O sol traz flores e calor

E o alegre trinado das aves.

publicado por Nuno Santos às 18:24

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO