Outeiro Secano em Lisboa

Abril 19 2015

palácio do Correio Mor.jpg

 

Pelos arredores de Lisboa pululam vários palácios que, outrora serviram de veraneio a famílias nobres do passado, uns maiores outros mais pequenos, uns em estado de degradação outros, ainda em bom estado de uso e até classificados como imóveis de interesse público.

Ontem tivemos o privilégio de visitar o Palácio do Correio-Mor em Loures, porque embora o conhecesse de nome, nunca o tinhamos visitado. Trata-se de um edifício com uma história extraordinária, tendo pertencido à família Gomes da Mata que, exerceu o cargo de Correio-Mor durante mais de duzentos anos,  desde que este serviço foi criado em 1520 por D. Manuel I, para assegurar a comunicação postal e outros bens, quer dentro do país mas também, com os novos domínios ultramarinos e com outros reinos amigos.

O cargo de Correio-Mor durou até ao reinado de D. Maria I, quando no ano de 1797 este serviço foi estatizado. Embora mudasse várias vezes de nome, o serviço público dos Correios, manteve-se estatizado até ao ano 2014, quando o governo de Passos Coelho o privatizou.

O palácio do Correio-Mor assim conhecido por analogia com o cargo do seu proprietário, situa-se em Loures numa quinta designada por Mata das Flores, com uma área de cerca de 150 hectares.

Esta quinta inicialmente propriedade das freiras do Convento de Odivelas, foi depois arrendada a Luís Homem, o primeiro correio-mor, que mais tarde a adquiriu, tendo-se preservado na sua família, durante mais de dois séculos.

O palácio começou a ser construído no reinado de D. João IV, mas ao longo dos tempos, sofreu várias alterações arquitectónicas. Em 1875 foi vendido a um grande proprietário de Loures, chamado Quirino Luís António Lousa, que o deixou a sua filha Filipa Maria Lousa Canha, mas foi o seu marido José Baptista Canha quem lhe introduziu grandes alterações decorativas.

O casal teve apenas uma filha Maria de Assunção Lousa Canha que ficou solteira e apenas passava os verões no palácio. Após a sua morte já na década de sessenta, o palácio e a quinta foram adquiridos por Miguel Quina, um proeminente capitalista no antigo regime, proprietário entre outros interesses, do Banco Borges & Irmão.

Miguel Quina introduziu-lhe também ele grandes alterações, sobretudo a nível da decoração interior. Em 24 de janeiro de 1967 por decreto-lei n.º 47508 este palácio foi classificado como Imóvel de Interesse Público.

Actualmente o Palácio e a quinta pertencem ao grupo imobiliário FIBEIRA, que ontem promoveu uma acção promocional, dos investimentos propostos para a quinta.

Graças a uns amigos tivemos convites para esta visita, onde além de conhecermos o Palácio, pudemos assistir e a um concerto privado do novo grupo de Carlos Maria Trindade, um Ex Heróis do Mar e Madredeus, ao qual junta, Sara Afonso na voz e Alexei Tolpygo no violino.

E porque gostamos muito de Loures, onde vivemos os nossos primeiros anos de casados, ficamos a torcer para que este investimento se realize e venha a ser um sucesso, porquanto, será uma mais-valia para o concelho e para a região.

publicado por Nuno Santos às 09:53

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Abril 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
17
18

20
21
23

28
29
30


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO