Outeiro Secano em Lisboa

Dezembro 16 2014

Frescos da capela da Sra do Rosário.jpg

 

Quando se faz a requalificação de uma obra de arte, é necessário recorrer a pessoal especializado para a sua execução, dando crédito ao velho ditado “cada macaco no seu galho” e para que não aconteçam situações como o da igreja do Santuário da Misericórdia de Borja em Saragoça – Espanha, quando, uma senhora resolveu por sua iniciativa, restaurar uma tela de Cristo, designada por “Ecce Homo”.

Essa obra fora pintada pelo pintor Elias Garcia Martinez no século XIX e oferecida a essa igreja, porque o pintor costumava passar férias nessa localidade.

O restauro efetuado pela senhora, transformou a obra de arte numa pintura infantil, embora paradoxalmente essa terra nunca fora tão visitada, como depois das imagens transmitidas na televisão, só para verem o quadro.

Claro que as reparações de obras de arte são dispendiosas e devido à sua especificidade, devem ter a supervisão de entidades oficiais como, o IGESPAR – Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico ou da DGPC – Direcção Geral do Património Cultural, mas por causa da malfadada crise, da parte dessas entidades não vem qualquer apoio financeiro, só exigências e obrigações.

É essa a situação que se está a passar com o restauro da capela da Sra do Rosário, onde depois da retirada do altar, surgiram os frescos ou pinturas murais. Como é sabido a restauração do altar está a ser feita por uma empresa de Braga, a qual se propunha também restaurar os frescos, mas por exigência da DGPC - Direcção Geral do Património Cultural, o restauro dos frescos teve de ser adjudicado a uma empresa de Lisboa, especialista em pinturas murais, designada por Mural da História.

A Mural da História é de facto uma empresa com obra reconhecida na área da pintura mural, associada da ARP – Associação Profissional de Conservadores Restauradores de Portugal e com garantia de qualidade. Só que nestas coisas da arte existe sempre uma grande subjetividade sendo difícil agradar a todos.

Como sabemos que da parte do Estado não vem qualquer apoio, a reparação desta valiosa obra do nosso património, toca a todos os outeiro secanos.

 

 

publicado por Nuno Santos às 22:51

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Dezembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12

14
15
17
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28
31


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO