Outeiro Secano em Lisboa

Outubro 22 2014

os gatos.jpg

Apesar de alguma antipatia clubística com o cineasta António Pedro Vasconcellos, do tempo em que era comentador desportivo no Trio de Ataque, rendo-me à sua capacidade e arte como realizador de cinema.

O seu primeiro filme que vi foi “o Lugar do Morto” considerado uma pedrada no charco do cinema português, representado por dois apresentadores de televisão da época, o Pedro Oliveira, entretanto desaparecido dos ecrãs, e a Ana Zanati agora convertida em actriz de novelas.

Seguiu-se Aqui del Rei, um filme sobre a época das campanhas de Mouzinho da Silveira em África, quando da prisão de Gungunhana, cujo enredo incidiu na paixão tórrida, entre um capitão e a mulher do ministro da guerra, da altura.

Em1999 realizou o “Jaime” um filme sobre o trabalho infantil, do qual gostei imenso, tendo-o visto uma segunda vez na televisão.

Filmou depois os Imortais, onde um grupo de quatro ex-militares que se reuniam anualmente, para comemorar os seus feitos em combate, num desses encontros decidem assaltar um banco.

A seguir foi a “Call Girl” com a sensual Soraia Chaves, um filme onde retracta uma realidade social, utilizada para obtenção de favores económicos de políticos e figuras importantes.

“A Bela e o Paparazzo” é uma comédia romântica, ficando famosa sobretudo pela brilhante canção do Jorge Palma “Encosta te a mim. Mais recentemente vi o filme agora estreado  “ Os gatos não têm vertigens”.

Quase todos os seus filmes têm um denominador comum, a presença de Nicolau Breyner, funcionando como seu actor fetiche, e as excelentes músicas escolhidas, desde o “Não me Mintas” de Rui Veloso no Jaime, ao já citado “Encosta-te a Mim” do Palma e agora neste último, a Ana Moura com os “Os clandestinos do amor”.

Quanto às intérpretes, a sua escolha tem alternado entre a Fernanda Serrano e a Soraia Chaves, embora neste último filme, o papel principal caiba a Maria do Céu Guerra, com uma brilhante representação diga-se.

Embora não tenha sido muito apreciado pelos críticos da especialidade, eu gostei do filme. Mostra-nos uma situação social cada vez mais presente, o isolamento dos mais velhos, e o incómodo em que estes se tornam para as suas famílias, incapazes de darem resposta a este problema social. Outro aspecto do filme é uma amizade improvável entre duas gerações, mostrando que afinal ela pode ser possível e até regeneradora.

 

 

publicado por Nuno Santos às 07:36

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

15

20
24

28
29


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO