Outeiro Secano em Lisboa

Julho 22 2014

 

Episódio II

 

Quando o nosso escritório de Lisboa funcionava no Rossio, paredes meias com o Teatro D. Maria, um dos nossos clientes era uma loja de antiguidades situada na galeria comercial Via Venetto na Av. João XXI, a qual tinha como estafeta, um senhor já reformado que, com o que ganhava nessa função, complementava a sua magra reforma.

Um dia este senhor veio ao nosso escritório fazer a recolha do livro de actas. Mas como a sua contabilista, que era a Ana Ferreira, estava ao telefone, a recepcionista instalou-o na sala de reuniões, a qual funcionava em simultâneo como sala de espera.

A chamada durou mais do que era expectável, e a recepcionista esqueceu-se de avisar a colega, da presença do senhor. Como estavamos próximo da hora do almoço, e nessa época ninguém comia no escritório, como os tempos mudaram, toda a gente saiu ficando o senhor fechado na sala.

Só após o regresso do almoço, a recepcionista se lembrou do senhor, indo avisar a Ana Ferreira. Quando esta se dirigiu à sala de reuniões, imaginando-a vazia, pensando que depois de tanta espera, o homem ter-se-ia ido embora.

Qual não foi o seu espanto, quando  entrou na sala, encontrou o senhor de cabeça caída sobre a mesa e a dormir. Chamou-o e quando estava preparada para ouvir o  seu desconforto por tanta espera, este só lhe disse.

- Parece que passei pelas brasas!

publicado por Nuno Santos às 07:19

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um outeiro secano residente em Lisboa, sempre atento às realidades da sua terra.
mais sobre mim
Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

14


28


links
pesquisar
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO